Da problemática da ureia ao nascimento de uma instituição científica


Por Beth Oliveira
O prof Abelardo Ribeiro de Azevedo foi um dos fundadores da SNPA 
 
Antes de ser essa instituição científica consolidada no meio Agropecuário, a Sociedade Nordestina de Produção Animal (SNPA) deu seus primeiros passos em meados de 1984 e 1986. Tudo começou com um problema que estava gerando a morte massiva de ruminantes no Ceará: o uso excessivo de ureia na alimentação animal. Quem nos ajuda a rememorar essa história é o Prof. Dr. Abelardo Ribeiro de Azevedo da Universidade Federal do Ceará, que foi um dos fundadores.
 
Com ânsia de entender o que acontecia àquela época nos currais cearenses e nordestinos, o professor participou de congressos, simpósios e diversos eventos que pudessem aclarar o problema. Seu intuito era ajudar o produtor rural a reduzir o prejuízo e evitar o sofrimento dos animais. Até que em um Congresso de Caprinos, um professor de nutrição recomendou que ele procurasse o presidente da empresa estatal Nitrofértil, uma das principais produtoras de ureia pecuária, situada no estado da Bahia. Por ventura, em dada ocasião, o prof. Abelardo foi apresentado ao então presidente que facilitou o seu acesso a técnicos e especialistas no assunto.
 
A solução era, aparentemente, simples: o uso excessivo da ureia na alimentação de bovinos, caprinos, ovinos e bubalinos. “A ureia é tóxica então era necessário fazer uma adaptação animal para estabilizar o contato com a substância, que é um subproduto do petróleo, e não haver mortalidade. O problema era o manejo inadequado, principalmente por parte dos peões,” explica o professor. A partir de então, em 1986, com a participação de diversos especialistas, inclusive extangeiros, técnicos, empresas do setor agropecuário e a comunidade científica nordestina, foi realizado o I Simpósio Nordestino de Alimentação de Ruminantes (SNAR), que aconteceu em Fortaleza, no Ceará. 
 
O que era apenas uma iniciativa de sanar uma problemática local tornou-se algo mais abrangente. “A ideia de criar uma sociedade que fosse maior e mais ampla, para servir como uma espécie de guarda chuva para o desenvolvimento do setor, surgiu em 1988 com o Simpósio que aconteceu em Natal (RN)”, relembra Abelardo que foi eleito presidente da Sociedade nesta edição. Daí em diante, a cada dois anos, era realizado novo Simpósio e a SNPA se fortalecia enquanto instituição voltada à pesquisa e solução de problemas ligados à produção animal.
 
Abelardo relembra que a edição de 1998 foi especialmente importante para a SNPA. Foi neste ano que criou-se a Revista Científica de Produção Animal e no qual houve o lançamento do estatuto em comemoração aos dez anos da instituição. Em um balanço do que representa a criação da sociedade, o prof. Abelardo destaca que “o ponto alto disso foi trazer os especialistas nas áreas para que eles distribuíssem o conhecimento entre estudantes, técnicos e trabalhadores de um modo geral. Nós queríamos fazer com que a produção animal crescesse e se desenvolvesse aqui no Nordeste”, pontua.